Notícias do setor

Revisão do cenário econômico doméstico - conjuntura FIESP


Estudo de Conjuntura Econômica, realizada pela FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, incorporando uma revisão da avaliação do cenário econômico e as novas projeções para 2018. Destaque que nossa projeção para o PIB em 2018 reduziu-se para 1,5%, o que será também desafiador, considerando o impacto negativo da greve dos caminhoneiros e as incertezas com o processo eleitoral.

A seguir, os principais pontos a serem observados:

• O ritmo de recuperação da economia vinha perdendo fôlego desde o final de 2017. Nas últimas semanas as expectativas de crescimento estavam exibindo deterioração, de certa forma incorporando a frustração com o ritmo de recuperação da atividade econômica nos últimos meses, e as repercussões da greve dos caminhoneiros deverão acentuar esse movimento.
• A confiança do empresariado industrial, assim como do consumidor, que estava mostrando moderação na trajetória de retomada poderá apresentar reversão dessa tendência nos próximos meses.
• A recente acomodação da confiança do consumidor e do empresariado que já teria algum impacto negativo sobre os investimentos e o consumo no 2º semestre de 2018, agora há o risco de reverter o seu movimento de recuperação por conta da greve dos caminhoneiros em maio e em resposta ao cenário de aumento da incerteza no cenário econômico e político, além de um quadro externo menos benigno.
• A crise na Argentina, importante parceiro comercial do Brasil, e o aumento da aversão ao risco no mercado financeiro internacional por conta de um aperto do juro nos EUA mais intenso do que o esperado, tornaram as condições da economia mundial menos favorável para a economia doméstica.
• O PIB do 1º trimestre de 2018 cresceu modestos 0,4% frente ao último trimestre de 2017, resultado que veio próximo da expectativa do mercado (0,3%). Considerando todo o quadro apresentado em abril e maio, a expectativa é de um resultado ainda pior do PIB no 2º trimestre, certamente negativo.
• A produção industrial que vinha exibindo lenta recuperação deve ter caído quase 10% em maio frente a abril. A produção de autoveículos recuou 25,6% em maio com relação a abril.
• A nossa projeção de crescimento para o PIB de 2,8% em 2018 está sendo revista para baixo, passando para 1,5%.
• Estimativas preliminares apontam que o impacto da greve dos caminhoneiros sobre o crescimento do PIB este ano seja de pelo menos 0,3 p.p.
• Mesmo um cenário de crescimento de 1,5% do PIB em 2018 será bastante desafiador, devido aos desafios do horizonte, como a incerteza sobre o processo eleitoral.
• Para que o resultado do PIB em 2018 seja igual ou superior a 1,5% o ritmo de crescimento no 3º e último trimestre teria que exibir aceleração, algo pouco provável que se materialize.
• Após um breve período de recuperação, o risco é elevado de a economia brasileira entrar novamente em recessão (“double dip”). O cenário é preocupante.
A apresentação completa está disponível no Portal do Associado (www.simabesp.org.br).

Fonte: SIMABESP / FIESP

Fonte: FIESP