Notícias do setor

Com que farinha eu vou? Prós e contras das de linhaça, aveia e outras


Basta uma rápida olhada nas gôndolas do supermercado para notar que a oferta de farinhas é bem variada e que elas são feitas com diversos tipos de matérias-primas. É tanta opção que fica difícil escolher qual levar para casa. Cada farinha de tem características diferentes, por serem feitas com produtos diferentes. Por isso a escolha depende do seu objetivo. Mas, de modo geral, o ideal é preferir as que são ricas em fibras, como a de linhaça, centeio e as feitas com frutas.

Farinha de linhaça
Uma boa fonte de fibras. Além disso, oferece ômega 3, um tipo de gordura do bem com ação anti-inflamatória que ajuda a proteger a saúde do coração. Nas gôndolas costumamos encontrar o produto feito com o tipo dourado e o marrom do grão. A grande diferença é que a quantidade de nutrientes tende a ser ligeiramente maior na mais clara e ela costuma ter um preço mais alto, pois sua matéria-prima na maioria das vezes é importada. Ela pode ser usada no preparo de receitas, em panquecas, bolos e tortas, por exemplo, ou polvilhada sobre iogurtes, saladas, salgada ou de frutas, sucos, entre outros.

Farinha de amêndoas
Tem poderosa ação antioxidante, pois é rica em vitamina E, uma arma potente contra os radicais livres. Além disso, oferece gordura poli-insaturada, substância que participa do controle do colesterol, da fabricação de hormônios sexuais e do transporte de vitaminas. Com uma boa quantidade de fibras, vai bem no preparo de biscoitos e bolos, pois tem um sabor adocicado, mas pode substituir a de rosca na hora de empanar alimentos.

Farinha de aveia
Versatilidade é com ela mesma. Pode ser utilizada em todos os tipos de receita e é uma excelente escolha, pois tem na sua composição um tipo de fibra solúvel, a beta-glucana, que retém água, formando uma espécie de gel no sistema digestivo que proporciona bastante saciedade. E os benefícios não param por aí: essa substância ainda está associada à redução do colesterol no sangue.

Farinha de arroz
Ganhou popularidade entre as pessoas que fazem restrição de glúten, pois é livre dessa substância, tem preço bem acessível e é facilmente encontrada no mercado. Oferece uma boa porção de fibras e ainda possui vitaminas do complexo B, minerais, como fósforo e magnésio, e tem baixo índice glicêmico, o que significa que é absorvida mais lentamente pelo organismo, controlando a glicemia e aumentando a saciedade. Prefira a versão integral e a utilize no preparo de pães, bolos, pudins e vitaminas, entre outros.

Farinha de centeio
Trata-se de outra opção com baixo índice glicêmico, fazendo com que a pessoa se sinta satisfeita por mais tempo e proporcionando energia em longo prazo. Pelo fato de não ser refinada, também conta com fibras, o que afasta ainda mais a fome e melhora o funcionamento do intestino. Pode entrar em cena em receitas de pães, bolos e tortas, entre outras massas, e para engrossar caldos e sopas. Quem não está acostumado a utilizá-la deve começar substituindo 1/3 da farinha de trigo pela de centeio e ir aumentando essa proporção aos poucos.

Farinha de chia
É obtida através da moagem dos pequenos grãos escuros, garantindo praticamente todos os benefícios do alimento, que é bem conhecido dos vegetarianos por substituir os ovos nas receitas, pois proporciona uma consistência similar. E ele tem muitos benefícios: combate a prisão de ventre, favorece o emagrecimento, tem ação anti-inflamatória, previne a anemia e ajuda a controlar o colesterol. A farinha pode ser adicionada a sucos, vitaminas e mingaus ou substituir parte da farinha de trigo em massas de bolos, pães e tortas.

Farinhas de frutas
O coco e o maracujá são algumas das utilizadas para a fabricação desse tipo de produto, fornecendo quantidades bem altas de fibras. Outro exemplo é a farinha de banana verde que tem a mesma característica e ainda oferece amido resistente, substância que dá saciedade e ajuda na manutenção das bactérias benéficas do intestino. Todas podem ser acrescentadas na lista de ingredientes de receitas de bolos, tortas e pães, entre outros, ou usadas em vitaminas e granolas.

Saiba mais

Fonte: Viva Bem Uol