Notícias do setor

MERCOSUL e União Europeia fecham acordo comercial


Hoje é um grande dia na história das relações internacionais. Depois de 20 anos de negociação, o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia foi fechado pelos representantes dos dois blocos. É um grande passo para o Brasil, pois o acordo reúne um PIB de US$ 19 trilhões e um mercado de 750 milhões de pessoas, com US$ 101,6 bilhões de comércio bilateral.

A expectativa é que, após a implementação do acordo, o Brasil amplie suas exportações para a União Europeia em até US$ 10 bilhões e gere quase 800 mil empregos. O acordo deve ainda ajudar a impulsionar agendas internas para tornar o país mais competitivo.

Confira os benefícios do acordo para a indústria brasileira

1. Mais acesso para as exportações brasileiras com a eliminação de tarifas de importação na União Europeia, que vão de 2,5% até 17%, e ampliação de cotas para exportação de produtos do agronegócio ao mercado europeu;

2. Abertura da economia brasileira será gradual, ou seja, as tarifas de importação no Brasil cairão ao longo do tempo e, para produtos sensíveis, pode chegar até 15 anos após a entrada em vigor do acordo;

3. Mais acesso ao mercado europeu de compras governamentais de US$ 1,7 trilhão. O acordo garante que as empresas dos países do Mercosul terão o mesmo tratamento e o mesmo acesso à informação em relação às europeias;

4. Estímulo aos investimentos europeus no Brasil para aproveitar as novas oportunidades criadas nos mercados dos dois blocos e também para aumentar exportações a partir do Brasil para a região;

5. Acesso à insumos e mais engajamento em cadeias globais de valor com a redução de tarifas de importação no Brasil e regras que permitem a acumulação de origem entre os países dos dois blocos, encorajando mais a produção competitiva e fragmentada no Brasil.

Ao longo desses 20 anos, a CNI coordenou a posição do setor privado por meio da Coalizão Empresarial Brasileira - CEB acompanhou as negociações nas capitais dos dois blocos e defendeu os interesses centrais do empresariado no acordo final. Agora, assim como no processo negociador, será necessária mobilização empresarial para defender a aprovação do acordo no Congresso Nacional.

Apoie a celeridade na tramitação do acordo MERCOSUL e União Europeia no Legislativo!

Fonte: CNI em ação