Notícias do setor

25 de outubro é o Dia Mundial do Macarrão Massas secas são as mais consumidas no Brasil


Para comemorar o Dia Mundial do Macarrão, celebrado em 25 de outubro, a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI) divulga a terceira edição de um estudo sobre hábitos de consumo do produto no Brasil, realizado pela Kantar WorldPanel.
De acordo com o estudo, o macarrão está presente em 99,3% dos lares brasileiros, sendo as massas secas (tradicional, caseira, sêmola, integral, grano duro e com ovos) as líderes de preferência, respondendo por 81,3% do consumo (744,9 mil toneladas, segundo dados da ABIMAPI de 2018). Na sequência estão as instantâneas, com 14,7%, (134,6 mil toneladas) e as frescas (recheadas, que necessitam de refrigeração), com 4% (36,6 mil toneladas) do mercado. 

O comprador de massas secas e frescas é mais velho que o de instantâneas: 50+ anos para secas e frescas e até 39 anos para instantâneas. A grande diferença entre o público dessas duas categorias é o poder aquisitivo: as secas são mais consumidas pelas classes D/E e as frescas, pelas A/B. As instantâneas também têm maior consumo nas classes D/E.

Nas subcategorias das massas secas, o macarrão de sêmola e o tradicional foram os mais consumidos em 2018, ambos representando 27,4% do mercado (251 mil toneladas, respectivamente). Logo em seguida, aparecem as massas com ovos, com 23,9% do volume de vendas (218,9 mil toneladas). As massas de grano duro, muito consumidas na Europa, aqui representam 0,3% (2,7 mil toneladas) do mercado e as integrais, 0,2% (1,8 mil toneladas).

“A presença do macarrão em praticamente todos os lares brasileiros mostra a versatilidade do alimento, que é saudável e rápido de ser preparado. Combinado com vegetais e proteínas é uma refeição completa, muito prática e barata, que cabe nos diferentes ‘bolsos’”, diz Claudio Zanão, presidente-executivo da ABIMAPI.
O estudo da Kantar WordPanel analisou durante o ano de 2018 uma mostra de 11.300 lares que representam um universo de 53 milhões de famílias espalhadas por sete macrorregiões. No ranking nacional de consumo, Norte e Nordeste juntos apresentaram o maior índice de compra, responsáveis por 39% do volume de vendas; em seguida aparecem Sul (15%), Leste e interior do Rio de Janeiro (12%), Interior de São Paulo (10%), Grande São Paulo (10%), Grande Rio de Janeiro (7%) e Centro-Oeste (6%).

Em 2018, segundo dados da ABIMAPI, o volume total de vendas de massas alimentícias no país foi de R$ 916,3 mil toneladas.

Fonte: ABIMAPI