Notícias do setor

Estudo: metade dos e-shoppers brasileiros nunca fez compras de supermercado online


Segundo o eCommerce ON, estudo realizado pela Kantar, metade dos e-shoppers brasileiros nunca usou o carrinho virtual para abastecer a geladeira e a dispensa. Dos que já fizeram, 7% afirmam que não fariam novamente por algum tipo de insatisfação.

O número de pessoas que não tiveram nenhum tipo de experiência com compras supermercado online é maior entre as mulheres (54%). Em comparação aos homens (8%), elas apresentam maior receio em relação a esse tipo de compra (12%). Já o número de pessoas que tiveram experiências ruins e não voltariam a comprar online se mantém o mesmo entre ambos os gêneros (7%).

Quando analisamos o grupo de pessoas que tem receios sobre fazer as compras de supermercado online, as principais preocupações são: a entrega (27%); a falta da experiência física de selecionar os produtos (18%); e a falta de qualidade (15%).

“A entrega é algo bastante conhecido como barreira para o crescimento do canal, seja pelo custo do frete ou pela demora na entrega. Mas o que chamou nossa atenção foi a barreira relacionada a selecionar o produto”, afirmou Luciana Piedemonte, diretora e líder de commerce da Kantar Brasil. “É importante trabalhar esse aspecto trazendo uma experiência que reforce a percepção de que o shopper está escolhendo os produtos, seja mostrando detalhes e validade de produto com fotos de qualidade. Além disso, outros pontos de contato, como embalagem e organização da entrega, podem ajudar a superar essa percepção negativa.”

Muitas oportunidades e espaço para crescimento

Mesmo com essas preocupações, 30% dos e-shoppers brasileiros que nunca fizeram suas compras de supermercado online estão abertos para começar. O comércio eletrônico nesse setor pode também se beneficiar da grande penetração na classe A e entre os homens. Afinal, mais de 64% dos e-shoppers da classe A já fizeram compras de supermercado online e estão inclinados a continuar fazendo. Para os homens, inclusive, esse número é de 47% contra 39% das mulheres. Isso confirma também a quebra do antigo estereótipo de que o gênero feminino é responsável pelas compras do lar.

O cenário do e-commerce é extremamente complexo, com diferentes players em jogo. Seja pelas plataformas de grandes varejistas do mundo offline, como Carrefour e Extra; as completamente digitais, como Homerefill; e até aquelas terceirizadas, como o Rappi. “As marcas precisam agir de forma diferente em cada caso, pois os compradores têm diferentes necessidades e motivações. É preciso entender o perfil de cada um deles e entregar soluções específicas”, diz Luciana. Ela completa: “Temos que colocar o shopper e suas necessidades no centro da estratégia de e-commerce”.

Para navegar nessa complexidade do supermercado online, há três sugestões às marcas:

1) Dar atenção ao tamanho da oportunidade e não apenas ao tamanho do canal de vendas;

2) Eliminar barreiras reais e mentais para fomentar o e-commerce;

3) Entender as motivações e necessidades do shopper do canal para ser mais efetivo na execução.

Sobre a metodologia

O eCommerce ON é um estudo global feito em 14 países, com 16 macrocategorias. Analisa mais de 100 mil atos de compras e o comportamento de 27 mil compradores online. Os detalhamentos de cada categoria podem ser adquiridos de acordo com a necessidade de cada empresa.

Fonte: Ecommerce Brasil