Notícias do setor

"Se pudéssemos, recompraríamos mais ações da nossa empresa", diz CFO da M.Dias Branco


Com um balanço considerado forte pelos analistas no primeiro trimestre deste ano, beneficiado pelo maior consumo de alimentos durante a quarentena, a M.Dias Branco (MDIA3) não enxerga a possibilidade de desabastecimento de insumos durante a pandemia e aposta em sua estratégia de crescimento de longo prazo.

Em live transmitida pelo InfoMoney nesta segunda-feira (11), o CFO da companhia, Gustavo Lopes Theodozio, disse que a acompanha a queda recente das ações da empresa, efeito do coronavírus, com certa apreensão — e que, se fosse possível, a companhia recompraria mais papéis por não achar justo o preço atual deles no mercado.

“O mundo está muito volátil. O Brasil tem vivido um momento mais delicado do que só a pandemia. A gente vê uma instabilidade política grande no mercado brasileiro. Vemos discussões do Executivo com o Judiciário e com o Legislativo. Essa briga entre poderes, essa discussão que está sempre vindo à tona de impeachment. Isso gera uma desconfiança grande para o investidor, principalmente o internacional”, disse.

“A gente não pode mais comprar agora, mas assim que a gente puder fazer nova recompra, a gente vai seguir com o programa, sim. Eu acho que essa companhia vale muito mais [do que o que está avaliada na Bolsa neste momento]”, completou. A companhia anunciou em janeiro um programa de recompra de ações.

O diretor de relações com investidores da M.Dias Branco concordou. “A gente lançou o programa de recompra porque a gente realmente acredita no potencial da empresa. A M.Dias é uma empresa muito sólida, tanto no seu conjunto de marcas quanto na sua estratégia comercial e nas oportunidades de crescimento”, disse.

“Mesmo tendo uma participação de mercado elevada no Nordeste, tem um espaço enorme de crescimento no Sul, Sudeste, Centro-Oeste. Também é uma empresa muito boa do ponto de vista de balanço. A gente fez captações para proteção do caixa, sem necessidade de curto prazo, com alavancagem 0,7x dívida líquida/Ebitda e nosso rating é AAA. É uma empresa muito sólida, é um excelente investimento, por isso que a empresa lançou um programa de recompra”, completou.

Os executivos falaram sobre a acertada estratégia de estocagem de insumos como trigo no final do ano passado e também do avanço dos valores e volumes de exportação, que sofreu um empurrão com a desvalorização do real frente ao dólar neste início de ano.

Assista acima à entrevista completa do InfoMoney com o CFO e o diretor de RI da M.Dias Branco. No vídeo eles também fazem comentários sobre os resultados e respondem dúvidas de analistas.

Balanço

O lucro da M.Dias Branco cresceu 140,8% no primeiro trimestre de 2020 sobre igual período do ano passado, passando de R$ 56 milhões para R$ 137 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia ficou em R$ 228,5 milhões nos três primeiros meses deste ano, uma alta de 103% na comparação anual.

Já a margem Ebitda (relação percentual entre a receita líquida e a geração operacional de caixa, o Ebitda) subiu 5,5 pontos percentuais, indo de 8,5% para 14%.

A receita líquida da empresa aumentou 24,3% no primeiro trimestre de 2020 em relação aos três primeiros meses de 2019, totalizando R$ 1,6 bilhão.

“Observamos um forte desempenho das vendas na segunda quinzena de março, fruto das medidas de distanciamento social para a contenção da pandemia de Covid-19”, informou a empresa em relatório.

“Seguimos confiantes no potencial de crescimento sustentável da M. Dias Branco, certos de que estamos fazendo os investimentos necessários.”

O analista André Hachen, do Itaú BBA, disse em relatório que o balanço da M.Dias Branco foi positivo, com o Ebitda 15% maior do que ele estimava e 4% acima do consenso de mercado.

“O volume de vendas acima do esperado em biscoitos e massas levou a uma diluição de custo melhor do que a esperada, o que gerou uma expansão nas margens”, afirmou.

Os volumes de biscoitos e massas tiveram crescimentos de 25% e 27%, respectivamente, sobre o mesmo período de 2019. “Durante a crise da Covid-19, o portfólio de produtos da M.Dias provavelmente se mostrará resiliente”, completou o analista do Itaú.

A Associação Brasileira de Produtores de Massas e Biscoitos declarou que as vendas em março foram de 15% a 20% superiores às do ano passado.

As ações da M.Dias Branco fecharam esta segunda-feira em alta de 2,29%, cotadas a R$ 33,32 cada uma. A recomendação do Itaú BBA para os papéis é de market perform (desempenho em linha com a média do mercado), com preço-alvo de R$ 39.

Fonte: Infomoney