Notícias do setor

Qual o futuro do setor de Recursos Humanos?


O setor de Recursos Humanos é fundamental para o bom desempenho de uma empresa. Já faz algum tempo que o departamento deixou de ser um mero executor de recrutamento e seleção. Agora muito mais estratégico, sua atuação se estende às demais áreas das empresas. E o que podemos esperar do futuro do RH?

Modelo híbrido

As empresas descobriram que o que importa é o resultado que você gera e não a quantidade de horas que você passa em frente ao computador e essa experiência acabou proporcionando mais agilidade, colaboração e produtividade das equipes.

Uma coisa fica cada vez mais clara: a forma de trabalhar mais tradicional, no modelo 100% presencial, vai migrar em muitos casos para um modelo híbrido de trabalho - combinando os benefícios do presencial e do virtual.

A pesquisa realizada pela FUTURO S/A, empresa especialista em transformações de estratégias, destaca que a carga horária de 9h às 18h será cada vez mais substituída pelo formato híbrido de trabalho 3-2-2, onde teremos 3 dias de trabalho presencial no escritório, 2 dias remoto e 2 dias de descanso. Isso vai produzir transformações em 3 elementos-base:

  • Muda a formatação dos espaços de trabalho: modelos híbridos demandam uma outra visão dos escritórios, das mesas e dos espaços de colaboração.
  • Muda o modelo de gestão: liderar times em modelos de trabalho híbridos demandam interações com as equipes que combinam elementos do presencial e do virtual.
  • Muda a cultura da empresa: agilidade, autonomia, colaboração, comunicação, liderança, inovação... diversos elementos que já demandavam uma atualização nas organizações vão se transformar rapidamente nesses novos formatos.

A empresa brasileira Global Line, especializada em treinamento e consultoria, analisou 145 empresas multinacionais que atuam no Brasil, mostrou que 58% dos profissionais entrevistados estão “muito confortáveis” com o trabalho remoto.  Além disso, das pessoas que responderam o levantamento, 36% estão “confortáveis” e apenas 6% “desconfortáveis”.

Transformação digital

Pense na transformação digital do RH como o fenômeno que incorpora tecnologias na automação de certas tarefas. Isso quer dizer que a processos, antes feitos manualmente, podem ser deixados a cargo de máquinas e sistemas de ponta. É o caso do recrutamento e seleção, por exemplo.

A modificação não tem a ver apenas com a aplicação de ferramentas tecnológicas, mas também de uma mudança de mindset em toda a empresa, com foco em melhorar a experiência do cliente e da comunicação interna.

Um bom exemplo disso é o investimento em data driven business, ferramenta que auxilia os gestores a fazerem suas escolhas a partir de dados volumosos, garantindo que os recursos empresariais sejam usados de maneira estratégica e assertiva.

Gestores mais flexíveis

Ansiosos, inquietos e ágeis: predicados que a geração Y carregam em sua personalidade. Essas características estabelecerão uma relação de hierarquia diferente. Portanto, como líder, você deve estar em frequente comunicação com eles, alimentando-os com informações e permitindo-os inovar.

Recentemente, a PwC trouxe informações interessantes em seu NextGen, pesquisa com 186.529 funcionários da geração millenium. De acordo com os dados:

  • Os entrevistados gostariam de mais flexibilidade;
  • 66% alterariam seus horários de trabalho;
  • 62% gostaria de trabalhar em casa eventualmente;
  • 15% dos profissionais do sexo masculino abriria mão de salário e velocidade de progressão de carreira para trabalhar menos horas por dia; 21% do sexo feminino tomariam igual decisão.
  • o feedback contínuo também é um elemento de destaque;
  • 41% gostaria de ser recompensado ou reconhecido pelo trabalho, ao menos uma vez por mês, contra 30% dos profissionais mais velhos.

Fonte: SIMABESP