Notícias do setor

Como fazer um mapa da jornada do cliente em 7 passos


“O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo porque na última década os clientes deixaram de ser receptores passivos de informações e transformaram-se em tomadores de decisão. Além disso, a quantidade de conhecimento disponível por meio de diferentes canais os torna mais criteriosos sobre os produtos que escolhem consumir e as marcas que apoiam”, analisa Élcio Santos, CEO da Always On.

Nesse cenário, o executivo enfatiza que a definição do mapa da jornada do cliente adquire um grau de extrema importância.
Mas o que é, e para que serve?

A jornada do cliente é uma abordagem que busca entender como as pessoas se comportam quando visitam uma loja ou um site. Ela define toda a experiência que consumidores e potenciais consumidores terão com as marcas ao longo de toda uma vida: do primeiro contato, à venda, até o pós-venda.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

“Seu mapeamento apresenta visualmente diferentes cenários comportamentais usando dados existentes. Esse processo traz insights valiosos que podem ser usados para descobrir novas oportunidades, além de melhorar a jornada do consumidor já que fornece percepções críticas ao identificar pontos de contato do cliente que podem ser melhorados”, explica. Entenda agora os sete passos essenciais que facilitarão o desenho do mapa da jornada.
Os sete passos para o desenho do mapa da jornada
Passo 1: defina suas metas

É mais fácil navegar quando você sabe o destino para o qual está indo antes mesmo de começar. Por isso, identificar e definir metas são os primeiros passos necessários a serem traçados.

“Isso permitirá que você restrinja as maneiras mais eficientes de atingir seus alvos. Ter metas em mente também pode ajudá-lo a se manter no caminho certo. Nessa direção, você deve responder a essas e outras perguntas: ‘por que você está fazendo este mapa?’, ‘que experiências você estará levando em consideração?’”, entrega o especialista.
Passo 2: Crie buyer personas

Buyer persona é um personagem fictício que representa um segmento específico de clientes para sua marca. Ao criar uma buyer persona, certifique-se de considerar as seguintes características: histórico, dados demográficos, estilo de vida, personalidade, fontes de informação e preferências de compra.

Leia mais: Persona digital: você é o que o seu perfil diz?

“É nesse momento que entram as entrevistas, pesquisas e outras formas de estudo de mercado. Para que você obtenha o máximo de dados possível e possa recolher informações que te ajudarão a se colocar no lugar de seus clientes”.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

*O mapa da jornada do cliente será construído em torno da persona do comprador e deve ser o mais preciso possível. Certifique-se de fazer perguntas do tipo “por que”. Isso fornecerá a você mais informações sobre o comportamento e as motivações dos consumidores. Quanto mais dados você usar ao criar a buyer persona, melhor. O ideal é limitar cada mapa a no máximo duas personas.
Passo 3: identifique as motivações e os pontos fracos

“Tecnicamente, esse passo poderia ser incluído no Passo 2, já que pode ser considerado parte da buyer persona. No entanto, queremos destacar a importância de entender as motivações e os pontos fracos do cliente nas fases posteriores do mapa da jornada”, diz o executivo, que sugere algumas dicas.

“Considere as buyer personas. ‘O que as mantêm indo’? Por outro lado, ‘o que as impede de alcançar seus objetivos’? ‘Elas têm medos e reservas’? E o mais importante: ‘como sua marca pode ajudar?’. Lembre-se das respostas a essas perguntas, elas serão cruciais nas etapas seguintes”.

Leia mais: Saiba como o Gig CX pode auxiliar na personalização e fidelização do consumidor final
Passo 4: inicie o mapeamento

Élcio reforça a necessidade de oferecer experiências personalizadas ao longo de todo o trajeto, e lembra que é necessário entender, antes de tudo, dos três estágios do processo de decisão de compra:

a) Estágio de conscientização: o comprador, seja um cliente atual ou potencial, precisa ser capaz de identificar os possíveis desafios que está enfrentando – a questão do preço, por exemplo – e de lidar com esses desafios e suas consequências.

b) Estágio de consideração: o comprador procura maneiras de lidar ativamente com os desafios identificados, considerando questões como: que opções estão disponíveis, onde buscar informações sobre essas opções e como pesar os prós e os contras.

c) Estágio de decisão: o comprador define uma solução e procura apenas o produto ou serviço mais adequado. As questões nesta fase tratam da avaliação de prós e contras da sua marca em relação às concorrentes e os critérios usados para determinar se um produto ou serviço é pertinente.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente
Passo 5: maximize os pontos de contato usando testes

Pontos de contato são os canais pelos quais um cliente pode encontrar sua marca. Locais onde as organizações têm a oportunidade de passar a impressão certa para o consumidor.

“Você só tem que aprender a tocar as notas que vão ressoar harmonicamente nos pontos de contato e maximizar o potencial de relacionamento entre a empresa e os clientes. Neste ponto, é importante revisitar as pesquisas para estabelecer hipóteses e criar um plano de testes que lhe ofereçam um roteiro empírico para tocar essas notas”, observa.
Passo 6: encontre os ‘momentos da verdade’

Ao avançar para o processo de conclusão do mapa, será possível entender que até aqui, cada passo tratou de diagnosticar um dos maiores obstáculos do concorrido mundo dos negócios: ganhar a confiança do seu público-alvo.

“Os ‘momentos da verdade’ são pontos cruciais. Aqueles em que a opinião sobre sua empresa é formada com base em experiências, afinal, sua marca nunca foi a única com a qual o cliente interagiu”.

O executivo lembra que agora, mais do que nunca, a jornada se dá com base em uma experiência omnicanal, realidade que exige maiores esforços para que as companhias consigam destaque no mercado em meio a clientes cada vez mais exigentes e demandados.

“O lado bom é que cerca de 64% dos compradores valorizam interações autênticas e significativas e desejam que as marcas se conectem a eles. Ganhar a fidelidade dos consumidores é possível usando os insights obtidos nas etapas anteriores para criar experiências genuínas e memoráveis para cada ponto de contato que você tem com o consumidor”.
Etapa 7: revise e aprimore constantemente

Élcio pede para que haja persistência e adianta que nem sempre as organizações acertarão na primeira tentativa.
“Continue refinando seu processo até que dê certo. Também não pense no mapa como um evento isolado. O cliente pode mudar – muito provavelmente, vai mudar – e sua marca deve estar pronta para adaptar-se a esse novo consumidor e a mapas atualizados da jornada do cliente”, finaliza.

Fonte: Consumidor Moderno