80% dos brasileiros querem adotar semana de trabalho de 4 dias

Uma pesquisa realizada pela WeWork e pela Page Outsourcing revela que 80% dos profissionais expressam o desejo de adotar uma semana de trabalho com apenas quatro dias, e a maioria, cerca de 76%, acredita que seriam mais produtivos sob esse modelo.

No entanto, quando questionados sobre suas preocupações em relação a uma semana de trabalho mais curta, cerca de um em cada cinco entrevistados acredita que o país não está preparado para essa mudança. Alguns temores incluem a distribuição das horas de trabalho ao longo da semana e a adoção desse modelo por equipes que normalmente dependem do trabalho presencial.

O levantamento entrevistou 10 mil profissionais em cinco países latino-americanos, incluindo o Brasil.

A pesquisa demonstra que 83% dos brasileiros têm interesse em reduzir sua jornada de trabalho, enquanto 17% se opõem a esse formato, que implica em um dia a menos de trabalho na semana ou uma carga horária reduzida ao longo dos dias.

A diretora de Reconnect | Happiness at Work, Renata Rivetti, que colaborou com a pesquisa, enfatiza que as pessoas estão buscando trabalhos mais flexíveis e modelos híbridos. Essa percepção é importante para que as lideranças possam fazer mudanças em suas práticas e até na cultura empresarial.

Redução na jornada de trabalho O interesse por uma semana de trabalho mais curta ganhou destaque após a pandemia. Em alguns países, como o Reino Unido, Portugal e Estados Unidos, várias empresas participaram de experimentos para avaliar os efeitos dessa mudança.

No Brasil, um teste conduzido pela organização 4 Day Week teve início em agosto deste ano e será implementado efetivamente entre o final de 2023 e o início de 2024.

A flexibilidade se tornou um valor importante para os trabalhadores desde o fim da pandemia de Covid-19, ocupando o segundo lugar entre os fatores mais relevantes, enquanto o salário permanece em primeiro lugar.

O estudo também aponta que 64% dos profissionais adotam um modelo de trabalho híbrido, 18% trabalham presencialmente e outros 18% trabalham remotamente. Nas entrevistas qualitativas, quando questionados sobre benefícios inegociáveis, 46% destacaram a flexibilidade no modelo de trabalho.

Além disso, mais da metade (55%) dos profissionais relataram estar insatisfeitos com seus empregos atuais, com os principais motivos sendo a falta de flexibilidade (25%), o salário (14%) e a falta de processos (11%). A pesquisa descreve essa insatisfação como uma “epidemia”.

Pesquisar
Veja também:
Quais os descontos do 13º Salário: entenda os encargos e faça os cálculo...
Posicionamento da FIESP sobre a pec da Reforma Tributária
Essa indústria bilionária de farinha do RS investe R$ 230 milhões, abre ...
Bunge distribui mais de 6,8 toneladas de alimentos no Brasil
Convenção Capital e Grande SP – STILASP:

Data-base 01º out – São Paulo, Santo André, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Embu, Cotia, Itapecerica da Serra, Carapicuíba, Barueri, Santana do Paranaíba, Jandira, Itapevi, Taboão da Serra, Embu-Guaçu e Osasco.

Convenção Interior – FETIASP:

Data-base 01º set – Avaré, Barretos, Bauru e região, Bebedouro, Campinas, Capivari, Rafard, Elias Fausto, Mombuca, Conchas, Pereiras, Laranjal Paulista, Cesário Lange, Franca e região, Itapira, Jaú e região, Jundiaí, Limeira, Macatuba, Maracaí, Marília e região, Morro Agudo, Olímpia e região, Piracicaba, Santa Barbara D’oeste, Americana, Rio das Pedras, Saltinho, Tietê, Charqueada, Porto Ferreira, Presidente Prudente, Ribeirão Preto e região, Rio Claro, Santa Rosa Viterbo, Santos, São José do Rio Preto e região, Sertãozinho e região, Tupã e Votuporanga.

Convenção Interior – FITIASP:

Data-base 01º set – Boituva, Porto Feliz e Região, Campos do Jordão, Cruzeiro e região, Guaratinguetá e região, Mococa, Vale do Ribeira e Santos, Sorocaba e região, Araras e Leme, Tapiratiba, Taubaté, Caçapava e Pindamonhangaba e São José dos Campos e região.

Convenção Guarulhos:

Data-base 01º mar – Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Mairiporã, Mogi das Cruzes, Piracaia, Poá, Santa Isabel e Suzano.

Convenção Bragança Paulista e Atibaia:

Data-base 01º fev – Atibaia, Bom Jesus Dos Perdões, Bragança Paulista, Itatiba, Jarinu, Joanópolis, Morungaba, Nazaré Paulista, Pedra Bela, Pinhalzinho, Tuiuti e Vargem.